terça-feira, 28 de dezembro de 2010

A MÚSICA EVANGÉLICA nos Anos 80 e 90 - Pequeno Histórico

  No ano em que o mundo celebra os 40 anos da interminável geração de Woodstock, fizemos uma retrospectiva das últimas 2 décadas da música cristã brasileira (ops! desculpe, gospel)É verdade que durante os anos 80 houve uma grande explosão musical que influenciaria e marcaria as gerações até os dias de hoje… de Michael Jackson, Bruce Springsteen, Toto Band, Aha e tantos outros nomes (Madonna, Cindy Lauper…) no Brasil, Legião Urbana, Kid Abelha, Barão Vermelho e Cazuza por assim vai.
Nessa época, a musica Evangelica ainda chamada de música de crente, no Brasil passou por significantes mudanças muito bem vindas e necessárias. O comportamento social da igreja tambem passou por mudancas profundas o que permitiu uma abertura mais ampla da mensagem transmitida. (independentemente do que se desejava pregar através das mesmas) mas o que fato é de que naquela época, as igrejas (na sua maiorias as pentecostais) usavam ainda hinos e corinhos, simples e fáceis de cantar, que foram introduzidos pelas cruzadas evangelisticas vindas da America do Norte nas décadas de 50 e 60. A fabricação dos Lps era praticamente artesanal e não haviam muitas gravadoras especializadas no seguimento “gospel” que ainda estava por vir.

Quem não se lembra daqueles Lps “bregas” com a “cara” do cantor estampado na capa? Jair Pires, Andreia Fontes (que era o sucesso da igrejas pentecostais com seu “Joao Viu”), Shirley Carvalhais – que vivia correndo do Faraó! Irmãs andorinhas e passarinhas e infindáveis quartetos regionais com o nome Arautos do Rei do príncipe ou embaixadores de Cristo. Tudo muito simples!
A música cristã ainda vivia fora do chamado mercado consumidor e ser cantor, muitas vezes, não requeria mais do que ter um testemunho muito forte e um “louvor” muito forte, o pensamento da igreja ainda era outro, muitas denominações ainda usavam o forte hábito de “botar fogo no diabo” e chamar “pelo anjo com a espada de fogo” transformando (alguns cultos de algumas igrejas) num próprio Cirque du Soleil!
Na decada de 80 na California, a Chapel Calvary Church introduziu um segmento de Cds totalmente inovador chamado “Praise and Worship” (louvor e adoração) com o selo que viraria a se tornar Vineyard Music, aonde comecou-se a padronizar os louvores de forma que as canções tornaram-se uma mistura de coral, com bandas e música ao quase-vivo, de uma forma mais simples. Essa nova empreitada foi quem finalizou com um famoso movimento de cristãos que desde os fim dos anos 60 lutaram e relutaram contra o movimento Hippie na california, criando a Jesus Music, para atrair jovens (esse mesmo movimento criou o slogan Jesus Freak).
Já no Brasil a música cristã ainda era vista apenas como “primeira parte” do culto, sem muita influência na igreja, houveram muitos grupos que lutaram vigorosamente para cantar mais de 3 músicas durante o culto e ainda havia pastores que nem durante o louvor ficavam: Subiam pregavam e pronto.

 

Mas houveram também, grandes pioneiros ainda nessa primeira fase das mudancas de comportamento da igreja em relação a música, o Brasil produziu grandes cantores ; Banda Logos, Rebanhao, (VCP) Vencedores por Cristo, Adhemar de Campos, Asaph Borba e Altos louvores e Joao Alexandre, somente para citar alguns. Ainda pouco influenciados pela música no exterior que ja havia consagrado Amy Grant, Ron Kenoly, a Serie Winds of Worship da Vineyard, Don Moen.






Rebanhão

Já no inicio da década de 90 o mercado de música gospel se estabilizou e cresceu, MK publicitá toma conta do mercado brasileiro, Aline Barros passa a primeira nas paradas com Consagração (ela cantou até na Xuxa esse louvor) ela ainda era da Com. Vila da Penha , e a música torna-se gospel, outros como Marquinhos Gomes e Sergio Lopes são tambem referência. Aqui inicia-se a fase das gravações ao vivo, podemos colocar em prospectiva nacional a série que creio que foi a mais cantada nas igrejas brasileiras que foi “A Vigilia” com Marcos Goes, delas sairam: ‘Os que confiam no Senhor’, ‘Autoridade e Poder’, ‘Maior e’ o que esta em nos’ e as Séries “Frutos do Espirito” do Daniel de Souza, os primeiros Cds da Renascer Praise – a inconfundível voz rouca da Bispa Sonia – com grandes ministrações e mensagens, divisão vocal incofundível no melhor estilo americano! Bandinhas moderninhas eram Novo Som, Resgate e Oficina G3!









Canções com influências internacionais já haviam chegado aos ouvidos dos cristãos brasileiros, a cancao de Rita Springer traduzida para o português como “ Grande e’ o Senhor” e “Ele e’ Exaltado” ambas cantadas por Adhemar de Campos, e as canções congregacionais como a PIB em Tridande Grava ‘Deus é Maior’ e a Comunidade Internacional da Zona Sul com ‘Rompendo em fe’, E assim (resumidamente) chegamos ao ano de 1997 quando Fernanda Brum é sucesso Gravando o CD Sonhos, que trazia ate uma faixa em CD-Rom (tempos modernos). Grandes gravadoras como Hosana Music/Integrity Music e Marcos Witt com a Canzion Produções!
Ainda no Exterior o Kirk Frankly deixa “The Family” para seguir carreira solo, e M. W Smith é o sucesso entre as irmazinhas, Ron Kenoly e Alvin Slaugther gravam no Congresso Hillsong de 1998 o Shout the Lord 2000 e no final de 1998 no cenário surge no nacional o Diante do Trono com traduções bem arranjadas da Hillsong, Maxwell W., Coreografias e, vejam só, uma irmã usando calça comprida!!! (se vc é novo convertido não deve lembrar da polêmica da calças e dessas dancas ‘estranhas’ no pultipo). Mas apartir daí já sabemos que o cenário da música nacional nunca mais seria o mesmo! Fosse para a pior – bandas magníficas e pastores-cantores-artistas-extravagantes ou para melhor – qualidade das gravações e maior variedade de ritmos e sons – mas é sempre bom lembrar de onde viemos, talvez assim possamos olhar para traz e tentar consertar o presente, para que no futuro possamos voltar a essência de tudo que a música crista (deveria) representar… Jesus somente Jesus!
Fonte: Mauro Guerra – direto da Croácia, via e-mail



segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Dê Liberdade e Limites com Equilíbrio

''Pois Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio'' (2 Timóteo 1.7).

''A tríplice graça que o pastor recebe:
1) poder -  caráter para saber exercer autoridade sem arrogância.
2) Amor - traz equilíbrio ao poder.
3 ) Moderação - gr sõphronismos - saúde mental, sobriedade. Assim, o pastor é mestre de si e do rebanho''. (17) = (3) comentário de rodapé, pg.1695.

   Li em um site de noticias que pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) entrevistaram 6 417 jovens de 10 a 20 anos para descobrir como anda o consumo de álcool entre eles. Concluíram que 20% dos meninos e 15% das meninas entre 10 e 12 anos haviam ingerido álcool nos últimos 30 dias. Entre 13 e 15 anos o percentual aumentou: 43% dos garotos e 40% das meninas tinham consumido bebidas alcoólicas. Quatro em cada dez adolescentes começam a beber antes dos 15 anos.

A primeira pergunta que fiz ao ler estas estatísticas foi: - Por que?

Por que tantas crianças se entregando aos vícios, ao álcool, ao sexo, à comida, aos jogos eletrônicos, compulsivamente?

Será muita liberdade dada pelos pais?

Tanto a super proteção como a liberdade em excesso causam grandes prejuízos para o ser humano. E é fácil para nós cairmos em extremos!

Crianças precisam de limites e liberdade na dosagem certa para crescerem equilibradas.

Foi-nos ensinado que se amo alguém devo tentar segurá-lo, protegê-lo de tudo e de todos, como se pudéssemos ser Deus, e controlar alguma coisa. Na tentativa de resguardar, dominamos e sufocamos a semente da autonomia na infância. Quando amarramos os sapatos da criança sem ao menos deixá-la tentar ou fazemos o prato deles todos os dias até os 18 anos, estamos mostrando que eles não são capazes de cuidar de suas próprias necessidades. Atrapalhamos assim seu desenvolvimento normal. Quantos pais fazem as atividades de casa para seus filhos; vão desde um simples colorido até a realização de pesquisas, mas esta tentativa de fazer as coisas pelos filhos pode ser desastrosa para o desenvolvimento da criança.

Alguns pensam que dar liberdade é deixar a criança entregue a si mesma, muitos já ouvimos fases do tipo:

- Deixe o menino fazer o que ele quer!

- Não discipline, não corrija assim você vai traumatizar a criança!

Mas a Bíblia nos manda ensinar, corrigir. ''Quem se nega a castigar seu filho não o ama; quem o ama não hesita em discipliná-lo.'' Pv 13.24. Veja também: Pv 10.13; 22.15; 23.14; 26.3; 29.15. Isto quer dizer colocar limites, só assim elas poderão ser realmente livres. 

Corrigir não é espancar, este é outro problema que as crianças sofrem. O abuso de poder, como todo excesso só traz prejuízos. Infelizmente de vez em quando vemos no noticiário pais que mataram um filho de tanto bater. Nestes casos a correção é feita sem amor, da forma inadequada, na hora errada, para descarregar a raiva. Isto não é disciplinar!

Disciplinar é conversar sobre, perder o direito de... É fundamental a criança compreenda porque está sendo disciplinada para que assim, ela possa mudar seu comportamento. O medo, as críticas, a coerção geram mais problemas. Muitas vezes moldamos uma atitude aproveitando-nos do medo e da culpa, tão usados na educação, infelizmente. Estes artifícios não mudam a mente e os valores, com isso a tendência é que o comportamento se repita, pois o coração não foi pastoreado. A ''psicologia de fundo de quintal'' como é conhecida pelos mineiros, é um exemplo do uso do medo e da culpa na tentativa de educar. Quem nunca ouviu sua mãe dizer?

 - Menino se você pular da janela vai virar ladrão.

 - Se você falar mentira seu nariz vai crescer.

- O bicho papão vai te pegar.

Seria muito mais eficaz explicar os efeitos ou as causas de tais atos. Se uma boa conversa não resolver, podemos usar outros métodos como veremos mais à frente.  Em último caso, usamos a vara: com amor, calma, longe de expectadores, e no lugar apropriado - no bumbum. E se não doer mais naquele que está corrigindo, existe algo de errado. Pois toda disciplina na hora dói, em ambas as partes. “Nenhuma disciplina parece ser motivo de alegria no momento, mas sim de tristeza. Mais tarde, porém, produz fruto de justiça e paz para aqueles que por ela foram exercitados.” Hb 12.11. Veja na pesquisa citada abaixo a comprovação deste principio bíblico:

''O dr. Stanley Coopersmith, professor de psicologia  na Universidade da Califórnia,  fez um  estudo com 1.738 meninos pertencentes à classe média, e suas respectivas famílias, começando no período da pré-adolescência e acompanhando-os até a idade adulta. Depois de identificar  aqueles que tinham maior auto-estima, ele comparou suas famílias  e as influências  recebidas na infância com aqueles que tinham menor senso de  valor próprio.

Ele encontrou 3 características importantes  que os distinguiam:

1) Os meninos com boa auto-estima eram claramente mais amados e apreciados no lar do que aqueles com baixa auto-estima. O amor de seus  pais  era profundo e genuíno, não apenas um monte de palavras vazias. Os meninos sabiam ser motivo  de orgulho e interesse dos pais, o que aumentava seu senso de valor.


2) Os meninos que pertenciam ao grupo dos que tinham uma boa auto-estima vinham de lares onde os pais eram significativamente mais rigorosos em relação à disciplina.  Em contraste, os pais do grupo de baixa auto-estima haviam  criado um sentimento  de insegurança e dependência nos filhos devido a atitudes de maior permissividade. Seus filhos inclinavam-se a achar que as regras não eram reforçadas pela disciplina, porque ninguém se importava o suficiente para se envolver.
('Se vocês são criados sem disciplina, então vocês são crianças ilegítimas e não filhos'). Além disso, descobriu-se que os jovens mais bem sucedidos e independentes durante  o último período de estudos, vieram de lares que exigiam responsabilidade e prestação de contas com mais rigor. Desse modo, os laços familiares se fortaleceram. Nesses lares, disciplina e domínio próprio formavam um estilo de vida.


3) As famílias do grupo de boa auto-estima se caracterizavam também pela franqueza e espírito democrático. Uma vez que os limites de comportamento foram estabelecidos, havia liberdade para que as personalidades individuais pudessem crescer e se desenvolver. Os meninos tinham liberdade para se expressar, não temendo serem ridicularizados por isso, e a atmosfera predominante era marcada pela aceitação e segurança emocional.''

(18) Charles R. Swindoll. Família Forte. Ed Atos.

Essa pesquisa comprova o valor do equilíbrio na educação. As características que marcaram os lares dos adultos com boa auto-estima foram uma infância e adolescência com: amor, limites, liberdade de expressão e aceitação. Foram famílias que tentaram contrabalançar liberdade e limites.
Fiquei furiosa uma vez com um homem que se dizia jardineiro e insistiu para podar a árvore que fica no passeio de minha casa. Ele disse que iria dar uma forma àquela árvore, e lá foi ele com sua enorme tesoura cortando suas folhas. Fiquei imaginando uma linda moldura para minha árvore como eu via em outras por aí. Quando ele terminou eu não queria acreditar, nossa árvore estava horrível! Pelada! E não havia nenhum formato visível a olho nu. Ela parecia mais um ET estacionado em meu passeio. Ele podou onde não foi necessário e deixou folhas onde não era preciso. Disse sim onde não era preciso; e não quando não era necessário! Um jardineiro sem equilíbrio estraga um jardim. Pais desequilibrados ou vão super proteger seus filhos ou vão abandoná-los. Não é nada disto que queremos.
É assustador ver como as coisas caminharam de um extremo oposto ao outro! Mas o equilíbrio e a harmonia são possíveis, e começam com a nossa consciência da importância desta mudança. Quem sabe a próxima geração de cristãos consiga atingir o equilíbrio? Entao para garantir a vitoria semeie na infancia liberdade e limites com equilíbrio. Diga sim, sempre que possível; e não, sempre que for necessário.
Não confunda limite com super proteção nem liberdade com abandono. Equilibrar limites e liberdade é fundamental. Mas como conseguir isto? Vamos falar adiante um pouco mais sobre cada ponto destes. Mas acima de tudo: Esforce-se, seja forte e corajoso, mas com a direção de Deus. “Se não for o Senhor o construtor da casa, será inútil trabalhar na construção. Se não é o Senhor que vigia a cidade, será inútil a sentinela montar guarda.” Sl 127. 1. O esforço humano é desperdiçado sem a orientação de Deus.



Texto de: Alexandra Guerra, extraído de seu livro ''Infância, o Melhor Tempo para Semear.'', Editora Betânia.
Alexandra Guerra é pedagoga, palestrante e jardineira. Autora dos livros "Infância: O Melhor Tempo Para Semear" e "Ciclos: de vida ou de morte, em qual deles sua família está?".

domingo, 26 de dezembro de 2010

Mais de 49 Mil Aposentadorias terão Revisão de Valores

“O Conselho da Justiça Federal (CJF) liberou, na última terça-feira, verbas para o pagamento de RPVs (requisições de pequeno valor) para os tribunais federais regionais no total de R$ 421.270.307,12. Do total, R$ 290.575.486 são de processos previdenciários, beneficiando 49.626 pessoas no País. O TRF da 2ª Região – Rio e Espírito Santo – recebeu R$ 45.815.432,07 de revisões, sendo R$ 20.070.388 de aposentados e pensionistas.
Segundo o tribunal, das 2.007 RPVs previdenciárias na região, 1.518 foram originadas nos Juizados Especiais Federais e 489 em Varas Federais. Representam R$ 5 mil a R$ 6 mil a cada pessoa. Para saber se foi contemplado, basta consultar o site oficial da entidade. Neste link, o segurado deve escolher a opção de consulta por número de CPF.
Depois de confirmar, será aberta nova página. Se aparecer a informação “depositado” e a data de levantamento do valor, é porque o valor foi liberado.Nesta página, o beneficiário poderá saber ainda em qual instituição bancária o valor de seu RPV foi depositado (Banco do Brasil ou Caixa Econômica Federal). Basta comparecer a uma agência do banco na data, levando CPF e identidade.
Enquanto parte dos que recorreram à Justiça estão recebendo suas requisições, a expectativa dos demais aposentados e pensionistas é quanto ao reajuste a partir da entrada em vigor do novo salário mínimo de R$ 540.
Com a aprovação do Orçamento da União para 2011 pelo Congresso Nacional, na noite de quarta-feira, aposentados que recebem o piso serão contemplados com o aumento no pagamento do dia 25 de janeiro. Já os trabalhadores vão ganhar o aumento no vencimento pago normalmente no início de fevereiro. Para que o novo valor passe a vigorar, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva precisa assinar medida provisória nos próximos dias.
Segundo o Ministério da Previdência Social, o calendário de pagamentos de 2011 prevê que todos os beneficiários que ganham salário mínimo tenham a folha de janeiro paga no dia 25 do mesmo mês. Como o novo valor já deverá começar a vigorar no dia 1º, esse grupo será logo beneficiado. No entanto, o presidente Lula precisa baixar a MP até o dia 31.”

Fonte: (O Dia Online)

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Doador misterioso transforma vida de mãe e crianças no Sertão de Pernambuco

Relembrando a Notícia
   Viver do lixo. Retirar das sobras o que comer, o que vestir, os brinquedos para as crianças. Em abril de 2010, o Bom Dia Brasil encontrou Renata Silva e os três filhos em uma jornada exaustiva e degradante pela sobrevivência, em Arcoverde, no sertão de Pernambuco. Na carroça, as crianças se equilibravam, enquanto a mãe amamentava a caçula.

O Reencontro
Oito meses depois, o jornal reencontrou Renata, grávida de oito meses, os três filhos e algumas conquistas para comemorar.
A casa simples, quase sem móveis, foi reformada. Ganhou mais um quarto e energia elétrica. O fogão e a geladeira são novos, assim como as camas e os colchões.
“Quando vocês fizeram a reportagem, eu vivia catando lixo, comia coisa do lixo, botava meus filhos para trabalhar junto comigo porque não tinha com quem deixar”, lembra Renata.
A história da Renata e dos três filhos emocionou e despertou a atenção de um brasileiro de forma especial. Ele não se conformou em ver as dificuldades diante da televisão e resolveu transformar a realidade da família. Distante, no anonimato, um voluntário mostrou que Papai Noel existe e que pode estar presente todos os dias do ano.
Renata nunca viu o anjo da guarda que age através da assistente social Luciana Karla. Ela faz as compras, paga as despesas e não deixa faltar nada para a família, como deseja o protetor anônimo.
“Só conheço mesmo a voz pelo telefone. O que ele quer em troca é só a família junta, que não se disperse de jeito nenhum”, conta Luciana.
Neste Natal, pela primeira vez, as crianças não vão brincar com as bonecas retiradas do lixo. Elas ganharam presentes novinhos.
“Estou mais feliz porque eu ganhei uma boneca”, comemora a menina Maria.
Renata, que é órfã e vive separada do marido, é pura gratidão. Até voltou a sonhar.
“Espero uma vida melhor para o futuro. Tanto para mim quanto para os meus filhos. Acredito que hoje em dia eu posso dizer que posso até a chegar a me formar. Eu tinha meu sonho de me formar em Direito para ser alguém na vida e dar o mesmo futuro aos meus filhos. Estou começando a acreditar que Deus existe e que tudo está mudando”, se emociona Renata.

Fonte: Bom Dia Brasil - Globo
http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2010/12/doador-misterioso-transforma-vida-de-mae-no-sertao-de-pernambuco.html

Ex-Esposa de Airton Senna é entrevistada pelo G1 sobre Filme Documentário do Ídolo em cartaz nos Cinemas

    A primeira e única mulher que foi casada oficialmente no papel e na igreja com Ayrton Senna se emocionou e chorou recentemente ao ver o filme sobre a vida pessoal e a carreira profissional do maior e melhor piloto brasileiro de todos os tempos. Mas também lamentou, no entanto, não ter sido mostrada ou sequer ter seu nome citado no documentário que estreou no Brasil em 12 de novembro.
“Me incomodou. Vou dizer que me incomodou bastante”, diz a ex-esposa oficial do ídolo, Lilian de Vasconcellos Souza, sobre sua ausência no filme “Senna”. “Que pelo menos citassem o meu nome, me procurassem para saber se eu queria que citassem meu nome”.
A produção inglesa faz uma homenagem ao tricampeão mundial de Fórmula 1, que completaria 50 anos em 2010 se estivesse vivo. A convite do G1, Lilian assistiu com a reportagem ao documentário no mês passado no Shopping Market Place, na Zona Sul de São Paulo. Os ingressos foram cedidos pela assessoria de imprensa do Cinemark, que também autorizou fotos dentro do cinema.
A designer, atualmente com 51 anos, chegou a assinar Lilian Senna da Silva em 10 de fevereiro de 1981, quando se casou com o amigo de infância do bairro do Tremembé, na Zona Norte. O então desconhecido corredor de kart Ayrton Senna da Silva, promissor piloto da Fórmula 3 inglesa e futuro ídolo na F-1, foi o primeiro amor dela.
“Eu acho que eu fui uma pessoa importante. Eu acho que eu o incentivei na carreira”, afirma Lilian sobre o fato de ter ido morar com Senna em Norwich, na Inglaterra, depois do casamento em São Paulo. Enquanto o piloto disputava provas da F-3, ela cuidava da casa do casal e administrava o dinheiro que ele recebia.
Durante a sessão, ela chegou a enxugar as lágrimas ao rever imagens de quando Senna começou a pilotar. “Eu estive nas vitórias dele na F-3, me lembro, mas não apareço nelas aqui no documentário”, lamenta.

Dinheiro contado para o Xampu
Após a difícil vida na Europa, quando teve problemas financeiros, o então casal Senna retornou ao Brasil, mas se separou pouco mais de um ano depois. “Eu era a segunda paixão dele. A primeira paixão dele era o automobilismo” relembra Lilian.
Ela continuou a entrevista em seu apartamento na capital paulista, onde mora com o filho, nascido em 1984, do segundo casamento.
Naquele mesmo ano em Lilian realizou o seu maior sonho, o de ser mãe, Senna concretizou, segundo ela, seu maior desejo: entrar na F-1. Assim como os fãs do piloto, ela passou a acompanhar a fase famosa e mais glamorosa do esportista pela televisão.
Em 1990, Senna deu uma entrevista à revista Playboy e comentou que o seu casamento, sem citar o nome de Lilian, “foi um erro” porque os dois se casaram muito jovens.

Ex-namoradas
O documentário "Senna" expõe também uma trajetória vitoriosa do ídolo, entrevistas inéditas, imagens dos bastidores, de TV, arquivos de família e vídeos caseiros. O Instituto Ayrton Senna ajudou no lançamento do filme. A história é contada nas vozes de Senna e nos depoimentos dos entrevistados, como o do rival francês Alain Prost.
No filme, aparecem fotos e cenas da apresentadora Xuxa e da então modelo Adriane Galisteu, respectivamente, ex e namorada do esportista em 1994, quando ele morreu precocemente, aos 34 anos, após sofrer um acidente com seu carro durante uma prova no autódromo de Imola, na Itália. Sua Williams não fez a curva e bateu. Uma peça do carro atingiu a cabeça do piloto. Em outras entrevistas, ele havia comentado seu desejo de morrer nas pistas.


Atualmente
Solteira após três casamentos, Lilian se dedica atualmente ao trabalho como designer de interiores e exteriores. “Eu nunca usei o nome do Ayrton para me promover à custa dele”, diz a loira de olhos azuis, 1,65m e 53 quilos, que já recusou convites de revistas masculinas para posar nua. Vaidosa, admite que já colocou próteses de silicone nos seios e não dispensa maquiagem.
Sorridente e simpática, mostrou com carinho a certidão de casamento com Senna e algumas fotos que tirou com ele. Algumas ganhou da ex-sogra, que visitou após o velório, do qual não participou porque preferiu se preservar.
E após muita insistência da reportagem revelou o que guarda dentro de uma caixinha, que evita mostrar as visitas. “O único presente que ganhei dele e que ficou comigo até hoje: essa pulseirinha de ouro”, diz. “Para mim, morreu uma pessoa que fez parte do meu coração.”

Outro lado
Procurada para comentar como foram feitas as escolhas das pessoas que apareceram no filme “Senna”, Viviane, irmã do piloto e presidente do Instituto Ayrton Senna informou por e-mail, enviado por sua assessoria de imprensa, que a família do piloto não decidiu “quem entrava ou não entrava na narração da história.”

Leia abaixo íntegra da nota de Viviane Senna:
“O documentário retrata de uma forma muito transparente e real quem era meu irmão. A história começa quando Ayrton vai para a Europa para disputar o campeonato mundial de kart – o mesmo tema que encerra o documentário. Todo o restante é focado no que ele viveu, dentro e fora das pistas, na F1. O quanto ele valorizava sua família, seus amigos e seu País, especialmente naquela fase. O quanto ele se dedicava à carreira, enfrentando os bastidores da F1, onde a competição ia além de vencer nas pistas. Tudo está muito bem retratado em 90 minutos. Acompanhamos a produção do filme e cedemos imagens do arquivo pessoal. Não decidimos quem entrava ou não entrava na narração da história. O roteirista e o diretor, em cima daquilo que captaram nas diversas fontes, é que fizeram essa brilhante montagem de fatos reais da vida de meu Ayrton. Tudo seguindo a pertinência necessária ao roteiro para garantir emoção, bom humor, suspense, realismo... ingredientes que trouxeram um resultado bem diferente do que estamos acostumados a ver em documentários. É imperdível.”

O G1 também procurou a Paramount, distribuidora do filme no Brasil, para falar sobre o documentário. A reportagem enviou um e-mail para a assessoria de imprensa, mas não teve retorno até o fechamento desta matéria.

Fonte: G1 da Globo.com